Um sol para cada um

Um sol para cada um Em Um sol para cada um seu novo livro de contos o escritor paraense Edyr Augusto Proen a retoma a linha liter ria que o caracteriza e usa a realidade nua e crua da cidade de Bel m como mat ria prima
  • Title: Um sol para cada um
  • Author: Edyr Augusto
  • ISBN: 9788575591222
  • Page: 432
  • Format: Paperback
  • Um sol para cada um
    Em Um sol para cada um, seu novo livro de contos, o escritor paraense Edyr Augusto Proen a retoma a linha liter ria que o caracteriza e usa a realidade nua e crua da cidade de Bel m como mat ria prima de suas hist rias, transportando o leitor para os cantos mais sombrios e escondidos da metr pole.Os personagens dos 36 textos s o escancaradamente verdadeiros e, por isso mesEm Um sol para cada um, seu novo livro de contos, o escritor paraense Edyr Augusto Proen a retoma a linha liter ria que o caracteriza e usa a realidade nua e crua da cidade de Bel m como mat ria prima de suas hist rias, transportando o leitor para os cantos mais sombrios e escondidos da metr pole.Os personagens dos 36 textos s o escancaradamente verdadeiros e, por isso mesmo, perturbadores Suas a es e contradi es s o descritas de maneira direta por Edyr, observador acurado e estilista talentoso Fic o realista que se recusa a cair em dogmatismos, em Um sol para cada um n o h espa o para meias palavras ou tons past is.Por suas p ginas desfilam marginais, prostitutas, criminosos e viciados, formando, nas palavras de Nelson de Oliveira, autor da apresenta o do livro, um quadro composto por anti her is do desespero A narrativa de Edyr urgente, pulsante, enxuta, por vezes asfixiante, causando o impacto que toda literatura de qualidade deve provocar.Trecho da apresenta o de Nelson de Oliveira O fato que os contos arfantes de Edyr chamam a nossa aten o para a face mais violenta e primitiva da sociedade brasileira Isso n o significa que a maior qualidade desses contos esteja na reprodu o document ria do modo de pensar, agir e falar dessa face vulgar e desesperada A den ncia social ocorre aqui por tabela, ela o bem vindo efeito colateral dessa droga poderosa chamada literatura Trecho do conto Sabrina Dona Chica me olha de lado Entro direto no quarto N o est Decido esperar Deito na cama Cheiro seu travesseiro Estou neste torpor quando ou o zoada Um vulto no, forte, entra e se atraca comigo Sinto pancadas no rosto Me aperta em uma gravata Estamos suados Esperneio Aproveito o suor dos corpos para deslizar Volta carga, cego Ou o um baque surdo e ele mergulha no ch o, no v o entre a cama e o arm rio Vou olhar Olhos abertos O corpo ainda pulsando Vai saindo um l quido escuro e viscoso da cabe a Olho em volta Deu com a cabe a na quina da cama Afogueado, sento e olho para a porta Sabrina est l , p lida S bito, some Ou o seus passos, correndo, fugindo As mulheres gritam Ou o uma sirene de pol cia L vem Dona Chica subindo com os caras N o h nada a fazer a n o ser esperar.
    Um sol para cada um By Edyr Augusto,
    • [PDF] ↠ Um sol para cada um | By ☆ Edyr Augusto
      432 Edyr Augusto
    • thumbnail Title: [PDF] ↠ Um sol para cada um | By ☆ Edyr Augusto
      Posted by:Edyr Augusto
      Published :2019-012-01T08:29:22+00:00

    About " Edyr Augusto "

  • Edyr Augusto

    Edyr Augusto um escritor e jornalista paraense, vencedor do pr mio Cam l on Nascido em Bel m, em 1954, inicia sua carreira como dramaturgo no final dos anos 1970 Escritor e diretor de teatro, Edyr trabalhou como radialista, redator publicit rio, autor de jingles al m de produzir poesia e cr nicas Filho do escritor e radialista Edyr de Paiva Proen a, sua estreia como romancista se d em 1998, com a publica o de Os guas Quadro desolador da metr pole ense, o thriller regionalista mergulha no ritmo fren tico da decad ncia e da viol ncia urbana.Muito apegado sua regi o do Par , Edyr Augusto ancora l todas as suas narrativas Em 2001 lan a Moscow, seu segundo romance, seguido de Casa de caba, em 2004 Seu mais recente romance Selva Concreta 2012 Os thrillers escritos por Edyr Augusto s o conhecidos por representarem o que h de mais interessante na literatura contempor nea paraense, mas com temas identific veis em qualquer cen rio urbano Sua linguagem coloquial, t pica da regi o, compondo um retrato perfeito da oralidade local A tem tica urbana, com uma trama de suspense que se desenrola por bares, botecos, restaurantes, delegacias, clubes e mot is, ecoa a tradi o policialesca noir nesse encontro que se configura o estilo singluar da obra de Edyr Augusto.Em 2013, com a publica o de Os guas em franc s sob o t tulo Bel m , a obra de Edyr ganhou grande destaque na cena liter ria parisiense Amplamente aplaudido pela cr tica, o romance recebeu, em 2015, o pr mio Camal on de melhor romance estrangeiro, na Universit Jean Moulin Concorreram com ele Milton Hatoum Orphelins de l Eldorado , Adriana Lisboa Bleu corbeau e Frei Betto H tel Brasil No mesmo ano, Edyr participou do festival Quais du Polar, em Lyon O evento mundialmente conhecido por celebrar o g nero noir na literatura e no cinema e recebeu neste ano cerca de 65 mil visitantes e nomes consagrados como Michael Connelly e Harlan Coben Em 2014, o escritor tamb m participou como convidado e palestrante do festival tonnants Voyageurs em Saint Malo, e em 2015, foi convidado a participar do Sal o do Livro de Paris Desde ent o, seus romances v m sendo traduzidos para o franc s Em 2014, foi a vez de Moscow 2014 e em 2015, Casa de caba publicado com o t tulo Nid de vip res.O estilo marcante, a escrita alucinante e implac vel de Edyr j havia chamado a aten o de editoras internacionais, a come ar pelo romance Casa de Caba, publicado na Inglaterra com o t tulo Hornets nest pela Aflame Books, em 2007 O paraense tamb m teve alguns contos traduzidos no Peru, pela editora PetroPeru, e tamb m no M xico, pela editora Vera Cruz E dois de seus livros est o sendo adaptados para o cinema.

  • 559 Comments

    Post Your Comment Here

    Your email address will not be published. Required fields are marked *